sábado, 23 de novembro de 2013

As Mães pela Igualdade dizem: Criminalização da Homofobia, PLC 122 agora!




Por que isto é importante

Nós, MÃES PELA IGUALDADE, estamos temerosas pela integridade física e moral de nossos filhos. Somos famílias, bem constituídas, amorosas, trabalhadoras e contribuintes. Fazemos parte desta sociedade e somos eleitores. Nossos filhos são cidadãos até onde sabemos de um país LAICO E DEMOCRÁTICO. 

Estamos vendo diariamente a perseguição dedicada e sistemática que o Poder Legislativo de nosso país faz aos direitos de nossos filhos, afiando as facas do preconceito que vão matá-los ali na frente, sem que, com raríssimas exceções, alguma voz da Casa do Povo se levante para defendê-los. Assistimos a Comissão que deveria proteger nossos filhos se tornar o ninho da homotransfobia. Não podemos mais calar

As estatísticas de ataques homotransfóbicos vem aumentando assustadoramente. Estamos assistindo absurdos como leis contra a violência homotransfóbica serem regulamentadas e publicadas e terem seus atos revogados em menos de 24 horas (caso recente do Distrito Federal). Assistimos impotentes um projeto de lei contra a discriminação, que já abriga vários segmentos da sociedade , inclusive o religioso, pairando sobre o Congresso Nacional por anos, sem que se aprove a inclusão da discriminação contra os nossos filhos. Ontem, assistimos a CDHM da Câmara dos Deputados aprovar dois projetos contra a comunidade LGBT e rejeitar um a favor. 

A comunidade LGBT é imensa e quando somada às suas famílias e amigos é uma parcela tão significativa da sociedade brasileira que se torna absurda a nossa invisibilidade aos olhos do Parlamento. Nós, Mães pela Igualdade, não toleramos mais abusos cometidos contra nossos filhos e filhas e a sorrateira influência religiosa na Casa do Povo do qual fazemos parte

A tendência mundial é o caminhar para um mundo igualitário, com a ausência de todo o preconceito e discriminação, que não seja o nosso país o último a proteger a fragilidade dos seus. Não deixemos que o direito de crer se sobreponha ao direito de SER. 

Por tudo isso pedimos a imediata colocação em pauta, votação sem alterações e aprovação do PLC 122. Terminamos citando Clement Attlee: “A democracia não é apenas a lei da maioria, é a lei da maioria respeitando os direitos das minorias.” 

Saiba mas sobre PLC 122 aqui: http://www.plc122.com.br/entenda-plc122

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

A minha expectativa para o I Encontro Nacional de Mães pela Igualdade é conhecer pessoas que partilham da mesma especificidade que eu, ou seja, ter filho ou filha homossexual. É muito importante a troca de experiências e a mobilização para ampliar o número de famílias que amam e aceitam seus filhos com as suas diferenças e diversidade. (Lícia Carvalho, Mãe pela Igualdade)

terça-feira, 1 de outubro de 2013

"Não somos fracos 
Somos sozinhos nesta multidão 
Nós somos só um coração 
Sangrando pelo sonho De viver " 
Lulu Santos




Nos dias 4,5 e 6, próximos , nós ,"Mães pela Igualdade", vamos nos reunir para juntas compartilharmos e planejarmos ações que possam vir a garantir os direitos de nossos filhos e filhas LGBTs. Esperamos que com esse encontro , bem como com a divulgação do mesmo, várias outras mães tomem a iniciativa de juntar-se a nós por essa luta.
Nossos filhos e filhas têm deveres como todo cidadão, mas também têm direitos, que lhes são negados diariamente. Queremos a criminalização da homofobia, o direito ao casamento civil, à adoção de filhos como todo casal hetero tem; além de o direito de passear com seu companheiro ou companheira sem sofrer agressão física ou moral.
Ainda somos poucas, e lutamos por aquelas que por algum motivo, que não cabe a nós julgar, ainda não tiveram coragem de sair do armário de seus filhos, mas quem sabe, com o nosso exemplo, resolvam se juntar nós.
Sangrando pelo sonho De viver (Maria Auxiliadora (Lili), é Mãe pela Igualdade)